I hope you enjoy this blog post.

Click here to use our ROI calculator to see how ZAPTEST can generate 10 X ROI on your Testing

Ao procurar testar software, pode escolher entre testes manuais e automáticos de software. Os testes manuais requerem muito tempo e trabalho tedioso, o que pode ser desencorajador para os programadores de software. Uma forma de ultrapassar estas questões é através da automatização dos testes de software.Os testes automatizados de software tornaram-se parte integrante de muitas estratégias empresariais. Em 2026, os peritos financeiros esperam que se torne um Indústria de 50 mil milhões de dólares. Esta indústria em expansão tem trazido consigo muitas ferramentas e técnicas de automação de testes de software. Se deseja começar a automatizar os seus testes de software, continue a ler este guia. Cobriremos as entradas e saídas da automatização de testes de software para o ajudar a decidir se deve implementá-lo na sua empresa.

 

O que é a Automatização de Testes de Software?

o que é a automatização de testes de software

A automatização de testes de software descreve qualquer processo que envolva a utilização de ferramentas de software separadas para testar software em desenvolvimento. Estas ferramentas utilizam sequências de script para rever e validar produtos com significativamente menos intervenção humana do que as técnicas de teste tradicionais.Durante a automatização dos testes, as ferramentas de software de automatização controlarão os testes, compararão os resultados com o resultado previsto, e relatarão os resultados. Os testes automatizados de software reduzem o tempo de colocação no mercado e proporcionam maior eficiência aos testes de produto.A automatização de testes de software permite a realização de testes contínuos e a entrega de um produto. As duas abordagens mais comuns a esta técnica são impulsionadas por interfaces de programação de aplicações (APIs) e interfaces gráficas de utilizador (GUIs).

O que é o teste manual?

O que é o teste manual de software

 

Os testes manuais descrevem os testes de defeitos de um produto de software conduzidos por humanos. Estes testes fornecem informações aos intervenientes no projecto sobre a qualidade do produto. Geralmente, o testador actua como utilizador final e utiliza as características para determinar se funciona correctamente. Além disso, o testador segue um plano de teste para trabalhar através de casos de teste específicos. Os testes manuais podem aumentar os custos monetários e de mão-de-obra dos testes mais adequados para a automatização. No entanto, investigações que requerem opiniões e contributos aleatórios, tais como
facilidade de utilização
beneficiam de testes manuais. A maioria dos produtos necessita de uma combinação de testes automáticos e manuais para garantir que estão prontos para o mercado.

O que é o teste unitário?

 

Os testes unitários são um processo que envolve o isolamento de um componente do seu produto. Em seguida, efectua testes nesta unidade para localizar quaisquer defeitos. Os testes unitários não envolvem bases de dados ou APIs externas. Ao testar um componente que utiliza um recurso externo ou outra unidade, o recurso é replicado para que a peça permaneça isolada. Os programadores de software normalmente realizam este teste durante o desenvolvimento. A sua execução precoce pode reduzir o tempo de colocação no mercado, uma vez que detecta quaisquer erros antes de o primeiro rascunho estar concluído. Ao criar uma grande aplicação, os programadores automatizarão o teste da unidade para poupar tempo.

Um pouco de história sobre automatização de testes

História dos testes de software

Na década de 1970, as empresas compraram e venderam software, mas
não
ter acesso fácil à Internet para distribuir código e actualizações. Muitos testes tinham de ser codificados e enviados individualmente, e cada teste só funcionaria para uma versão específica do software. Isto era particularmente verdade por volta dos anos 70. Naquele momento, os computadores eram apenas começando a ser generalizadomas o software ainda não era compatível com mais do que uma fracção de máquinas extremamente semelhantes. Isto significa que os testes passaram a fazer parte do processo de depuração e foi relativamente fácil de realizar, uma vez que se podia adivinhar em grande parte o ambiente operacional. Por volta dos anos 70, as empresas reconheceram que podiam utilizar o software existente para testar aplicações em desenvolvimento com menos interferência humana. Como resultado, começaram a criar software de teste de software. Nos primeiros tempos da automatização moderna, os proponentes encaravam-na como um substituto para os testes manuais. Empresas como a SQA e Mercúrio ajudaram a simplificar os testes de software complexo. Contudo, os programadores descobriram que o software de teste automatizado da aplicação web deixaria de funcionar regularmente. Embora as empresas pudessem facilmente comprar e vender software, não podiam distribuir actualizações e novas funcionalidades tão facilmente. Nos anos 90, os criadores falharam frequentemente as datas de expedição e os prazos de entrega dos produtos. Várias alterações aos sistemas operativos, bases de dados, aplicações e ferramentas de desenvolvimento fariam com que o conjunto de testes deixasse de funcionar. Os fabricantes das ferramentas adicionaram características para minimizar o número de vezes que os programadores tiveram de editar o software. Independentemente disso, tornou-se mais trabalho para automatizar os testes do que para os realizar manualmente. A maior parte do tempo do testador dedicou-se ao desenvolvimento de scripts em vez de testar o software. No entanto, muitos indivíduos persistiram no desenvolvimento de software de automação. A ascensão de coisas como GUI, computadores pessoais, e arquitectura cliente-servidor aumentou a necessidade de automação, ao mesmo tempo que facilitou a sua criação. Quando a Internet e a tecnologia da nuvem se tornaram comuns, as organizações puderam distribuir prontamente actualizações para manter o software utilizável. Além disso, práticas complexas como DevOps e Desenvolvimento ágil tornaram a automatização uma necessidade. Hoje em dia, é possível encontrar produtos baseados na web e ferramentas de testes comerciais para realizar testes automatizados eficazes com um esforço mínimo de desenvolvimento. A partir de 2018, aproximadamente 72% das organizações utilizar testes de automatização. Considerando o crescimento previsto da indústria, pode-se esperar que este número aumente nos próximos anos à medida que mais pessoas se voltam para a automatização para os ajudar no seu trabalho.

Automação de Testes de Software vs. Testes Manuais

Tanto os testes automatizados como os manuais têm o testador verificar a funcionalidade do software. No entanto, os testes manuais têm um testador humano enquanto que a automatização dos testes de software utiliza ferramentas de automatização. Nos testes manuais, os analistas de garantia de qualidade (GQ) realizam os testes individualmente. Durante estas investigações, verificam a existência de problemas, bugs e defeitos antes de enviar o pedido para o mercado. O testador validará várias características-chave do produto através da execução de casos de teste. Em seguida, criam relatórios de erro para resumir os resultados. Os testes manuais requerem trabalho prático por parte de analistas e engenheiros de GQ que criam e executam casos de teste para a aplicação. A intensidade do trabalho torna os testes menos eficientes e demorados. Além disso, a equipa de GQ pode não realizar testes suficientes sobre o pedido. No entanto, muitos testes requerem métricas qualitativas do ponto de vista do utilizador final. Estes requerem testes manuais. Os testes automatizados de software utilizam ferramentas e scripts de teste de software para conduzir as investigações. A equipa de GQ irá escrever scripts de teste para automatizar os testes de software. O guião inclui instruções para plataformas específicas para validar um resultado ou uma característica. As soluções de testes automatizados demoram menos tempo a realizar cada teste. Como tal, são altamente eficientes e proporcionam uma maior cobertura de teste. Pode automatizar a maioria dos testes, incluindo algumas simulações de utilizadores. No entanto, nem sempre conseguem lidar com investigações complexas.

Automação de testes de software vs. testes unitários

O que são testes unitários

Os testes unitários são uma ferramenta útil para o desenvolvimento Ágil. Uma vez que testa porções individuais do programa, pode testar a aplicação mais rapidamente e implementar alterações apenas quando necessário. Melhora a qualidade do produto, simplifica a integração, e reduz os custos porque pode eliminar os bugs no início do processo de desenvolvimento. Normalmente, os testes unitários são automatizados, mas nem sempre. Quando usado em grandes aplicações, pode ser demasiado caro e demorado para testar manualmente a unidade. Visto que muitas empresas têm aplicações massivas, necessitam de testes unitários automatizados para fornecerem actualizações prontamente. No entanto, os produtos mais pequenos podem escapar aos testes manuais devido às exigências reduzidas de mão-de-obra. Em suma, os testes unitários podem beneficiar da automatização de testes de software. No entanto, nem todos os testes automatizados de software são testes unitários e vice-versa.

Quais são os benefícios dos testes automatizados?

 

A utilização de ferramentas de teste de software automatizado tem muitos benefícios, incluindo:

  • Melhoria da eficiência dos testes: Grande parte do processo de desenvolvimento de aplicações vai para testes. Ao automatizar este processo, é possível reduzir a quantidade de tempo gasto em testes, reduzindo ao mesmo tempo os erros humanos. O aumento da eficiência pode ajudar os criadores a cumprir os prazos de entrega dos produtos designados.
  • Continuidade: Os engenheiros de automação podem compreender facilmente o trabalho do programador de software, guião, defeitos, correcções, e testes previamente realizados através de um relatório de testes de automação.
  • Reduzir os custos operacionais: Uma vez adquiridas as ferramentas de software de automatização necessárias, reduzirá muitas despesas e aumentará os lucros a longo prazo. Os grandes custos de capital são compensados pela mão-de-obra reduzida posta à prova. A mão de obra pode ser empregue em processos empresariais separados, o que pode beneficiar a sua organização de outras formas.
  • Cobertura de teste maximizada: A maximização da cobertura dos testes através de testes manuais exigiria um trabalho extensivo. Os testes automatizados de software utilizarão casos de teste de qualidade para fornecer uma cobertura de teste a 100%, assegurando que todas as interfaces de utilizador, bases de dados e serviços web satisfazem os requisitos empresariais.
  • Retorno rápido: A automatização dos testes de software acelera os ciclos de teste e elimina os casos de teste repetitivos. O software de teste de software entregará os resultados dos testes a todos os membros da equipa mais cedo do que um testador manual. A partir daí, quaisquer problemas podem ser corrigidos num período mais curto do que os testes tradicionais permitiriam.
  • Aumento do retorno do investimento (ROI): Investir tempo e dinheiro em testes manuais repetitivos pode aumentar o tempo de colocação no mercado e, ao mesmo tempo, potencialmente perder alguns bugs. No entanto, o software para testes de automação reduzirá os custos do ciclo de vida de desenvolvimento do produto, os defeitos presentes, e o tempo de colocação no mercado.
  • Escalabilidade melhorada: Através da automatização, as empresas podem atribuir menos testadores humanos a cada projecto. As ferramentas de automatização dão às organizações maior flexibilidade e escalabilidade para completar mais projectos.
  • Testes de fácil execução: Muitos testes e casos de teste são complicados, morosos e propensos a escutas. Ao automatizar estes processos, pode-se elaborar facilmente scripts robustos com o mínimo de erros.

Desafios na Automatização de Testes

Cada estratégia de automatização de testes vem com os seus desafios. No entanto, a utilização das ferramentas certas pode ajudá-lo a ultrapassar estes problemas no seu negócio. Aqui estão os quatro desafios mais comuns.

1. Escolha das Ferramentas Apropriadas

Ao integrar pela primeira vez software para testes de automatização, uma empresa pode não ter conhecimentos especializados sobre as melhores ferramentas para a aplicação. Nem todos os pacotes de software oferecem a cobertura de teste necessária para o produto. Considerando a grande variedade de ferramentas de teste disponíveis, muitos vendedores hiperbolizam as capacidades do produto. A equipa de GQ precisa de realizar investigação suficiente sobre a ferramenta específica em vez de adquirir a opção mais popular. Pode remediar este desafio através da definição dos requisitos de ferramentas para a aplicação. Assegure-se também de que considera as competências dos membros da equipa. Ao escolher ferramentas de teste de software que correspondam aos requisitos, é possível acelerar o processo de teste.Se não encontrar uma ferramenta que satisfaça todas as suas necessidades, tente implementar uma solução multi-ferramentas. Além disso, identificar os componentes mais cruciais da aplicação a testar. Dessa forma, só gastará dinheiro nas ferramentas necessárias. O software de automação tem um elevado custo inicial, por isso vai querer minimizar a quantidade de software que compra. Tente realizar uma análise custo-benefício para determinar se deve pagar por mais software de automatização.

2. Ter uma infra-estrutura de testes inadequada

Para maximizar a cobertura de testes e a velocidade de execução, necessitará de infra-estruturas adequadas. Por exemplo, o teste de uma aplicação contra múltiplos navegadores e combinações de sistemas operativos requer uma estratégia de paralelização. Esta situação requer uma forte infra-estrutura. Muitas empresas não podem construir elas próprias a estrutura de testes necessária, especialmente quando se iniciam nos testes automatizados de software. Infra-estrutura baseada na nuvem oferece as configurações necessárias no ambiente de teste para que possa operar os testes de forma eficiente. Além disso, estas infra-estruturas custam menos a manter e oferecem os mesmos benefícios.

3. Falta de conhecimentos especializados e de comunicação

Embora a sua equipa de GQ possa ter uma vasta experiência em testes manuais, a automatização representa um desafio à parte. Se os membros da equipa não possuírem experiência nesta área, terão de se submeter a formação até atingirem o nível necessário para testes automatizados de aplicação web. Além disso, muitas equipas ficam com falta de comunicação. A falta de comunicação pode levar alguém a assumir tarefas para as quais não está preparado, ou a equipa não completará os seus testes. É possível ultrapassar a falta de perícia, aproveitando uma estrutura de testes automatizada para permitir que os membros da equipa utilizem a sua melhor linguagem de programação. Por exemplo, a estrutura de teste de software Selenium automatiza os navegadores e vincula várias línguas para acomodar mais programadores. A equipa precisa de decidir quais os guiões de teste a automatizar. Embora alguns aspectos elementares possam ser feitos sem formação, o testador de automação de software precisará de um programa de formação sobre este tópico.

Outra forma de melhorar a comunicação da equipa de GQ é desenvolver um plano de teste fiável que pode partilhar com todos os membros da equipa. Ao utilizar os seguintes processos, a sua equipa pode planear, registar e documentar melhor os dados num esforço de colaboração:

  • Plan Studio: Isto permite à equipa dar prioridade aos casos de utilização enquanto testa os candidatos à automatização numa escala de alta a baixa prioridade.
  • Rec Studio: Através da gravação, a PME pode gravar em vídeo, passando os dados para o Automador, ajudando a melhorar a comunicação entre a sua equipa e desenvolvendo a colaboração global.
  • Doc Studio: Documentar os processos anteriores, convertendo o guião automatizado num formato de texto. Isto permite a gestão da mudança e a rastreabilidade dos artefactos.

4. Abordagem de teste errada

Se a sua empresa tiver as ferramentas, infra-estruturas e conhecimentos correctos para realizar testes automatizados de software, poderá ainda assim utilizar a abordagem de testes errada. As ferramentas de software de automatização não lhe dizem quais os processos a automatizar. Nem todos os testes podem ser submetidos a automatização, pelo que é necessário automatizar estrategicamente. Ao conceber a sua estratégia de automatização de testes, tente utilizar uma pirâmide de automatização de testes ou testes baseados no risco. Pirâmides de automatização de testes testes de classificação a realizar com base no ROI. Deverá dar prioridade aos testes unitários automatizados, seguidos dos testes de serviço, depois dos testes UI e exploratórios. Este padrão atenuará os defeitos logo no início antes de se proceder aos outros testes. Testes baseados no risco dá prioridade aos testes em elementos com o maior risco de falha. Pode considerar um componente “arriscado” se este levar a consequências drásticas em caso de falha. Procurar acordos de nível de serviço, probabilidade de falha, e o custo financeiro dos defeitos como base para a priorização.

Melhores Práticas para a Automatização de Testes de Software

Quando começar com os testes automatizados de software, vai querer automatizar alguns testes até ganhar mais conhecimentos. Tente usar estas melhores práticas para melhorar o processo.

1. Definir os objectivos dos casos de teste

Antes de escolher o que automatizar, decidir sobre vários objectivos de casos de teste. Os interessados nos testes devem concentrar-se no contexto e no valor ao determinar os casos. Descobrir as áreas mais críticas para a satisfação do cliente, os defeitos mais prejudiciais a prevenir, e o valor acrescentado desejado da automatização. Ao longo do ciclo de vida do produto, será necessário manipular os objectivos. Além disso, considerar todo o negócio ao tomar decisões objectivas em casos de teste. Desta forma, todos os departamentos podem ver resultados desejáveis da automatização de testes de software.

2. Priorizar os Testes

Tenha em mente que só porque se pode automatizar um teste não significa que se deva fazê-lo. Determinar que testes são mais imperativos para uma integração contínua a longo prazo (IC). Se um problema não causar um problema crítico, pode considerar a possibilidade de o testar desnecessariamente. Perderá tempo e dinheiro com uma questão mínima, realizando um teste.

3. Assegurar a Fiabilidade entre Plataformas

Na era digital, existem inúmeras plataformas que as pessoas utilizam para aceder a aplicações. Durante os testes automáticos da aplicação web, deve determinar que o produto é executado em navegadores de secretária e dispositivos móveis. Assegurar o seu funcionamento fiável em diferentes sistemas operativos e plataformas. Em geral, tenha em mente a escalabilidade à medida que desenvolve e mantém a automatização dos testes.

4. Desenvolver e manter os testes

Ao desenvolver testes, tente minimizar a quantidade de tempo gasto. Embora testes sofisticados e morosos possam fornecer os resultados desejados, é provável que tenha dificuldade em utilizá-los e mantê-los a longo prazo. Tentar equilibrar os esforços de criação e manutenção de testes para a escalabilidade. Além disso, tratar o código de teste como código de produção. Ter uma cópia de segurança e histórico guardados. Além disso, assegure-se de que pode repará-lo e mantê-lo facilmente.

5. Manter Comunicação Aberta entre Canais

Ao trabalhar para automatizar os testes de software, certifique-se de manter uma comunicação aberta entre os canais. As pessoas dos seus departamentos de testes, de negócios e de engenharia precisam de compreender os objectivos e o trabalho uns dos outros. Qualquer falha de comunicação pode levar a defeitos que requerem mais tempo e testes para serem reparados.

Quais são os Tipos de Testes Automatizados de Software?

Ao começar com ferramentas de teste de automação, uma empresa deve dar prioridade aos testes para automatizar. Tenha em mente que todos os testes seguintes podem ser automatizados ou manuais.

1. Testes de Fim a Fim

Os testes de ponta a ponta (E2E) são alguns dos mais valiosos a implementar. Simulam as experiências do utilizador final em toda a aplicação. Alguns exemplos de testes E2E são a verificação de que o utilizador pode iniciar sessão, alterar as definições de conta, e carregar imagens. Estes testes permitem ao negócio saber que a aplicação funcionará sem bugs para o utilizador final. Uma vez que as ferramentas E2E gravam e reproduzem acções do utilizador, os planos de teste são gravações de fluxos de experiência do utilizador. Os produtos que não têm cobertura total de testes beneficiarão ao máximo dos testes E2E de fluxos comerciais vitais. Lembre-se que a automatização destes testes tem um custo de capital elevado. Para produtos que requerem libertações rápidas de testes E2E, deve automatizar. Caso contrário, poderá querer executá-los manualmente.

2. Testes unitários

Os testes unitários consideram componentes individuais do código. Normalmente cobrem funções individuais para garantir que uma entrada esperada produza a saída esperada. Para códigos com muitos cálculos críticos, dever-se-ia implementar uma estratégia automatizada de testes unitários. Estes testes são acessíveis, fáceis de implementar e oferecem um elevado ROI. Uma vez que se encontram na base da pirâmide de automatização de testes, quase todas as empresas devem utilizá-los para as suas aplicações.

3. Testes de integração

Muitas unidades fazem referência a serviços de terceiros. Durante os testes, a base de código não pode ter acesso a terceiros. Através de testes de integração, as utilidades são gozadas para determinar se o código funcionará como esperado. Os testes de integração são como testes unitários, e podem servir como alternativas mais baratas ao E2E. Globalmente, são rentáveis para implementar e devem proporcionar um elevado ROI da automatização.

4. Testes de desempenho

Os testes de desempenho determinam a capacidade de resposta e a velocidade com que uma aplicação reage a um estímulo. As métricas típicas incluem o tempo de resposta dos resultados do motor de busca e o tempo para carregar a página. Estes testes fazem medições artesanais para estas métricas. Testes de desempenho automatizados executam casos de teste através de múltiplas métricas para encontrar qualquer perda ou regressão de velocidade.

5. Testes exploratórios

O teste exploratório é um teste relativamente aleatório que utiliza sequências não planeadas para encontrar qualquer comportamento inesperado. Existem soluções de testes automatizados para testes exploratórios, mas ainda estão na sua infância. Se encontrar ferramentas de teste de software para criar um conjunto de testes exploratórios, pode experimentá-lo. No entanto, é muitas vezes mais eficaz realizar estes testes manualmente.

6. Análise de código

As ferramentas de análise de código podem ser estáticas ou dinâmicas. Podem procurar estilo ou falhas. Um testador de automatização de software irá executar uma análise de código enquanto verifica o código. A única escrita de teste que os testes de análise de código automatizado requerem é a configuração de rolos e ferramentas de actualização.

7. Testes de Regressão

Os testes de regressão envolvem a repetição de testes funcionais e não funcionais. Determina se o software previamente desenvolvido continua a funcionar após uma actualização. O insucesso cria uma regressão. Quase todas as alterações de código requerem testes de regressão. Devido à sua natureza repetitiva, serve bem para a automatização. No entanto, os testes de regressão para determinar falhas visuais (por exemplo, fonte incorrecta, colocação de elementos, esquema de cores) favorecem os testes manuais. O teste de regressão visual automatizado tira imagens de estados anteriores de um produto e compara-as com os resultados esperados. Este processo é demorado e dispendioso de desenvolver. Por outro lado, uma pessoa pode detectar rapidamente problemas visuais numa página.

8. Testes Automatizados de Aceitação

Os testes de aceitação automatizados (AAT) afirmam se as necessidades dos utilizadores e os processos comerciais são satisfeitos por um sistema dentro dos critérios de aceitação. Além disso, determinam se o utilizador final considerará a aplicação aceitável para utilização. Devido à natureza crítica da AAT, o negócio, os criadores de software e a equipa de QA precisam de colaborar. Uma vez estabelecidos os testes de aceitação, eles podem actuar como testes de regressão.

9. Teste de fumo

Um teste de fumo ocorre geralmente depois de uma janela de manutenção ou de colocação. Asseguram que os serviços e dependências funcionam correctamente. Estes testes preliminares localizam falhas simples que têm consequências graves que podem rejeitar uma libertação. Os testes de fumo são subconjuntos de casos de teste que englobam a funcionalidade de uma unidade de código. Normalmente, são executados através de um desdobramento automático. Um teste de fumo determinará coisas como se o programa corre, botões funcionam, e se a interface do utilizador se abrirá. Como tal, os testes de fumo podem funcionar como testes de aceitação.

Que tipos de processos são mais adequados para a automatização de testes?

que tipos de proicess para automatizar com testes de software para ui

A automatização de testes de software pode reduzir os custos monetários e laborais de alguns testes, mas pode aumentar os custos de outros. Embora a maioria dos testes possa ser submetida a automatização, deve ser dada prioridade à aquisição de software de teste para aqueles que satisfaçam estes critérios.

1. Testes determinantes

Um teste é determinante quando o resultado permanece o mesmo cada vez que o executa usando o mesmo input. Este teste terá resultados previsíveis que os guiões de teste podem prontamente apanhar. Por exemplo, os testes de carga e de stress têm resultados determinantes.

2. Testes nãoopinionados

Não é possível automatizar testes de software para testes que exijam opiniões e feedback do utilizador. Como resultado, processos como A/B, usabilidade, e testes beta precisam de trabalho manual. Por outro lado, o desempenho, a integração e os testes unitários são objectivos.

3. Testes repetíveis

Os testes repetíveis beneficiam de ferramentas de teste de software. Embora se possa escrever um guião de teste automatizado para um que se executa uma vez, perderá tempo e dinheiro. No entanto, os scripts demorados que precisam de ser executados muitas vezes tornam-se muito mais simples com a automatização. Este critério inclui testes que se podem estabelecer num ambiente consistente e depois executar e medir antes de devolver o ambiente ao seu estado de base. Por exemplo, as combinações de browsers de teste seriam extraordinariamente tediosas sem automatização.

4. Ambientes de teste e dados

É possível configurar dados e ambientes de teste através da automatização. Algumas ferramentas de automatização de testes de software podem construir scripts de teste antes de escrever código. A organização só precisa de definir a funcionalidade do teste.

5. Testes Críticos

Tentar utilizar testes automáticos de aplicação quando um teste pode danificar um negócio ou interromper o serviço. As ferramentas de software de automatização podem evitar que as novas funcionalidades danifiquem as antigas. Por exemplo, os testes de regressão, fumo e sanidade realizados em todas as libertações de um produto devem ser automatizados.

Que aplicações e software podem ser automatizados?

As melhores ferramentas de automatização de software podem automatizar os testes de software para qualquer aplicação. Por exemplo, ferramentas de teste de software como ZAPTEST pode automatizar quase todas as aplicações. Oferece software para todas as seguintes aplicações e software, tais como Agile, mobile, web, desktop, API, e testes de carga. No entanto, muitos outros tipos de aplicações e software podem ser automatizados.

1. Windows Apps

Microsoft permite aos utilizadores automatizar muitas aplicações Windows usando uma técnica de apontar-e-clicar. Pode criar fluxos de trabalho automatizados utilizando o gravador de fluxos UI para captar a entrada do teclado e os cliques do rato. Depois, pode testar o fluxo da IU e utilizá-la em vez de realizar testes manuais.

2. Linux e Unix Apps

Também se pode automatizar o teste de software para aplicações Linux. Embora não sejam tão comuns como o Windows e macOS, Linux e Unix oferecem uma base robusta, segura, e rápida para testes automatizados de software. Estruturas de teste automatizadas como TestProject, Appium, e Selenium permitem-lhe construir suporte de scripts de teste em múltiplas plataformas.

3. MacOS Apps

aplicações macOS pode ser submetido a testes automatizados de software com várias ferramentas de teste de software, tais como Squish, iWork, e Omni. Alavancando a funcionalidade de scan GUI pode desenvolver um guião para executar testes na plataforma macOS.

4. Aplicações iOS

Ao fazer aplicações Mac OSX e iOS, vai querer realizar testes automatizados de unidade e UI. Pode utilizar estruturas de teste de software como XCTest, Nimble, KIF, OHHTTPStubs, e Quick para verificar o código fonte. Estes quadros de aplicação iOS funcionam em Swift e Objective-C.

5. Aplicações Android

O Android já passou
2,5 mil milhões
utilizadores activos. Este sistema operativo tornou-se um dos mais populares devido à natureza de código aberto que o torna amigo do desenvolvimento. Com
mais de 1000
smartphones que operam no SO Android, as aplicações precisam de ser testadas através de inúmeras combinações de versões de SO e especificações de hardware. Os testes automatizados de software tornam isto viável. Estruturas de automatização de testes como Selendroid, Appium, Mabl, e Testim permitem-lhe criar, executar e manter casos de teste para aplicações Android.

6. Outras aplicações móveis

As aplicações Windows Mobile e Blackberry têm também ferramentas de software de automação aplicáveis. Estas soluções de testes automatizados escrevem um guião que se pode aplicar a múltiplos testes. Programas e ferramentas como ZAPTEST, Jamo Solutions, e
BlackBerry Dynamics SDK
pode testar estes sistemas operativos mais pequenos.

7. Software Ágil

Ao conceber a aplicação, é possível utilizar uma estrutura de teste de software para iniciar a automatização. As ferramentas de teste de software podem reunir objectos de teste a partir de uma réplica GUI para criar scripts de teste durante o desenvolvimento. Assim que o produto for lançado, a equipa de garantia de qualidade pode testá-lo imediatamente. Toda a metodologia Agile pode receber apoio de um conjunto de testes. As equipas de desenvolvimento podem utilizar teste da caixa negra, onde o software de teste de software não conhece o código interno. Este teste simula a actividade do utilizador. Ao contrário,
white-box
Os testes garantem que o código não tem defeitos.

8. Software API

Tecnologias de serviços Web como JSON, SOAP, WADL, REST, XML, e WSDL podem ser automatizadas com software de teste API. Ao misturar objectos API e UI num único script, é possível automatizar os testes de software na parte da frente e de trás.

9. Testes de carga

O ZAPTEST tem um componente LOAD para testes. Esta característica permite testar o desempenho de infra-estruturas de servidores API com scripts padrão ZAPTEST.

10. Testes UI

Qualquer IU trabalha com um quadro de testes automatizado, independentemente da tecnologia de aplicação. Não importa qual a tarefa que necessita de automatização, uma plataforma cruzada como o ZAPTEST pode ajudar. Automatização da IU utiliza o reconhecimento baseado em imagem e OCR para automatizar testes de software com estruturas, API, ou dependências ambientais, uma vez que se mantém dentro da GUI.

Que características e capacidades são importantes para a automatização de testes de software a nível empresarial?

O software de nível empresarial pode aumentar a eficiência, produtividade, transparência, e receitas. Qualquer programa de computador utilizado por uma grande organização conta como software empresarial. Para acelerar os processos empresariais, as empresas precisam de software que corresponda aos seus requisitos únicos. Além disso, o negócio poderia acelerar ainda mais estes processos com a automatização de testes de software de alta qualidade. Ferramentas líderes de automatização de testes de software empresarial como o ZAPTEST cumprem esta promessa com as características e capacidades necessárias para apoiar uma grande empresa, incluindo:

    • Alto ROI: O ROI serve como um resultado demonstrável. As elevadas capacidades de ROI provam que os serviços de teste de software automatizado são abrangentes e requerem ajustes mínimos.
    • Fácil Implementação: Se o software for prontamente implementado e utilizado, é mais provável que a equipa de GQ encontre sucesso com ele. Por exemplo, a tecnologia 1SCRIPT do ZAPTEST automatiza qualquer aplicação UI ou API, combinando-as num único guião.
    • Execução Paralela: A execução paralela descreve a capacidade de testar em múltiplos dispositivos simultaneamente. Fornece feedback instantâneo para muitos cenários possíveis, tais como quais os dispositivos em que o software funciona melhor.
    • Conversão de documentos com um clique: A conversão de documentos mantém todos os documentos no mesmo formato, tornando mais simples a identificação e compreensão de problemas. Para além disso, assegura os efeitos das alterações de código no futuro.
    • Gestão de Alojamento de Dispositivos de Nuvem: O software empresarial deve incluir dispositivos de nuvem para testes. Os testes em nuvem acontecem mais rapidamente, uma vez que não é necessário configurar o ambiente de teste.
    • Licenças Ilimitadas: Permitir licenças ilimitadas para software de teste de software permite que as empresas tenham equipas de GQ expansivas.
    • Funcionalidade de plataforma cruzada: As aplicações precisam frequentemente de ser desenvolvidas em múltiplas plataformas e dispositivos, tais como Windows, macOS, Linux, Android, e iOS. Ao permitir a funcionalidade multi-plataforma, uma empresa pode ligar qualquer plataforma a um módulo de automatização.
    • Funcionalidade de aplicação cruzada: Ao conceber uma aplicação para trabalhar em múltiplos sistemas operativos, irá querer uma estrutura de testes de software com funcionalidade de aplicação cruzada para minimizar os testes necessários.
    • Testes em directo: Os testes em directo permitem incluir clientes e mostrar-lhes a aplicação remotamente. Além disso, os testes em directo proporcionam mais oportunidades para o feedback dos clientes.
    • Testes de Mock-Up: As ferramentas de teste da empresa irão recolher objectos de teste de uma maquete GUI para fazer scripts de teste durante o desenvolvimento. Esta capacidade permite-lhe realizar testes de software automatizados imediatamente após completar a aplicação. Além disso, alguns testes podem ocorrer durante o desenvolvimento para encontrar quaisquer insectos logo no início.
    • Gravação de Cenários: A gravação de cenários cria testes repetíveis para software. Os sistemas de testes empresariais incluem isto para tornar muito mais fácil testar software conforme necessário, mesmo com elementos de código únicos.
    • Teste sem código: Os testes sem código eliminam a barreira da perícia à automatização dos testes de software.
    • Perito remoto: Serviços empresariais como o ZAPTEST oferecem um Perito ZAP que trabalha remotamente para fornecer assistência a tempo inteiro na implementação e automatização.
  • Integrações: Alguns softwares de teste permitem integrações com ferramentas ALM como CA Rally, VSTS, JIRA, TFS, e HP ALM. Outros permitirão a integração com servidores de automação de fonte como Bamboo e Jenkins.
  • Apoio Ágil: Muitas aplicações são desenvolvidas com metodologia Agile, e as ferramentas de teste de software devem acomodar isto.

Como funcionam os testes automatizados?

como funcionam os testes de automação em indústrias como a banca, por exemplo

Os testes automatizados conduzem afirmações sobre um produto utilizando máquinas. Os resultados ditam o estado da aplicação em comparação com os objectivos. Os testes automatizados de aplicação envolvem loops de feedback numa pirâmide de testes. Antes de considerar as etapas envolvidas nos testes automatizados de software, temos de definir os diferentes níveis de testes.

1. Diferentes níveis de testes

Pode-se considerar os diferentes níveis de testes como uma pirâmide.

Unidade

A parte mais ampla é o teste unitário. Os testes unitários oferecem robustez ao software. Funcionam rapidamente para validar cada componente. No entanto, estes testes não oferecem informações sobre o funcionamento do pedido como um todo. No entanto, podem identificar problemas em funções individuais para remediar.

Serviço

O segundo nível da pirâmide é o nível de serviço. Inclui os testes de componente, aceitação, API, e integração. Estes investigam os serviços da aplicação, para além da interface do utilizador, que envolve respostas a inputs. Quaisquer combinações entre componentes ao longo de um limite de rede incluem também testes de serviço. Validam que as funções são montadas correctamente e que outros componentes de software podem comunicar com os componentes necessários.

Viagem

A terceira camada é o teste de viagem, que inclui os testes UI e exploratórios. Há menos testes de viagem devido aos diferentes atributos que os tornam mais desafiantes e arriscados de correr. Por exemplo, mudar a interface do utilizador pode quebrar muitos testes. Os testes de viagem seguem o caminho do utilizador. Cobrem muitos códigos de uma só vez, para que possam estabelecer prontamente se a aplicação funciona correctamente em menos testes. No entanto, não lhe dizem qual a parte que tem bugs.

 

2. Plano de automatização

Antes de começar, é necessário elaborar uma estratégia completa de automatização de testes para uma gestão eficaz. A equipa de GQ precisa de definir requisitos de teste para compreender o âmbito do projecto.

3. Enquadramento

Os testes automatizados de aplicação começam com uma estrutura de teste de software. O quadro inclui normas, ferramentas e práticas. As estruturas de automatização de testes mais comuns são orientadas por dados e por palavras-chave ou criadas para testes modulares e escrita linear.

4. Ferramentas de teste de automatização

As ferramentas de teste de software investigam diferentes aplicações. Terá de seleccionar o ideal para a sua candidatura. Por exemplo, provavelmente precisará de software diferente para testes de automatização para testar uma aplicação Android do que uma aplicação Linux.

5. Ambiente de automatização

O ambiente de automatização trata do aprovisionamento, gestão de dados, e configuração de um ambiente de teste. Integra também os processos em torno dos testes de software. Para realizar testes bem sucedidos, será necessário estabilizar o ambiente. As plataformas de qualidade proporcionam estes ambientes.

6. Desenho de teste

Depois de escolher as estratégias, ferramentas e ambiente necessários, pode escrever roteiros de teste. A escrita de guiões de teste durante o desenvolvimento do produto irá acelerar este processo e criar um fluxo de trabalho positivo.

 

7. Execução de testes

Uma vez concebido, pode utilizar uma ferramenta de programação ou um orquestrador de tubagem para executar os testes. Tentar paralelizar casos de teste que não envolvam interdependência para uma automatização mais rápida.

8. Análise de resultados

Se algum teste falhar, pode analisar os resultados para corrigir os defeitos. Muitas estruturas permitem-lhe reutilizar guiões para conduzir novamente o teste sem o reescrever. Faça outro teste para determinar se reparou a falha.

Quem deve ser envolvido no processo de automatização de testes?

que deve estar envolvido com ferramentas de automatização de testes de software e planeamento

Durante os testes automatizados de software, uma empresa deve começar os testes no início do ciclo de vida do produto. Como resultado, os desenvolvedores devem trabalhar com os testadores para fazer um quadro de automatização de testes. No entanto, quase todos na empresa se envolvem na automatização de testes de software:

  • Intervenientes: As partes interessadas sabem o que querem de um produto, e trabalhar com elas na estrutura de automatização de testes irá assegurar que os resultados satisfazem os seus requisitos.
  • Engenheiros de Desenvolvimento: O revelador implementa testes durante o desenvolvimento. Têm de realizar testes dentro de ambientes de desenvolvimento integrado (IDEs) como Visual Studio e Eclipse.
  • Engenheiros de Automação: Estas pessoas concebem e implementam processos que permitem a automatização. Os engenheiros de automação requerem integrações com CI, testes escaláveis, e suporte abrangente para linguagens de programação.
  • Testadores Manuais: Os testadores manuais têm muita experiência em testes manuais, e irão beneficiar grandemente dos aspectos de registo e repetição da automatização. Além disso, beneficiam de scripts reutilizáveis com diferentes dados de entrada para identificar e reparar problemas entre várias plataformas e ambientes.

Como implementar uma estratégia de automatização de testes

Os dois métodos de implementação mais comuns são as pirâmides de automatização de testes e os testes baseados no risco. Na base da pirâmide estão os testes unitários, que têm a maior quantidade de testes. Seguem-se os testes de serviço, que incluem integração, API, aceitação, e testes de componentes. No topo estão os testes de utilizador, incluindo os testes UI e exploratórios. Algumas soluções de testes automatizados integram testes GUI e API para que quaisquer alterações a um sejam reflectidas no outro. A outra estratégia de automatização de testes é a de testes baseados no risco. O elemento com a maior probabilidade de falha é testado primeiro. Esta estratégia dá prioridade aos testes nas partes mais críticas que têm as maiores consequências em caso de falha. A linha de base para a priorização depende tipicamente do custo financeiro, do risco de falha e dos acordos. Para implementar uma estratégia, é necessário:

  • Criar um plano de automatização
  • Escolha uma estrutura de teste de software
  • Adquirir ferramentas de teste de automatização
  • Estabilizar o ambiente de automatização
  • Escrever guiões de teste
  • Executar testes
  • Analisar os resultados e repetir conforme necessário

Melhores Práticas de Testes Automatizados

melhores práticas para a automatização de software ágil

As melhores práticas de teste de software automatizado irão maximizar o ROI. Tente utilizar estas práticas ao realizar testes automatizados.

1. Seleccionar os casos de teste para automatizar

Uma vez que não é razoável automatizar cada teste, escolha aqueles que mais beneficiariam com a automatização. Os melhores testes a automatizar incluem:

  • Testes repetitivos
  • Com múltiplos conjuntos de dados
  • Testes que utilizam múltiplas plataformas e combinações de software ou hardware
  • Testes de alto risco
  • Aqueles que causam erros humanos
  • Testes demorados
  • Sobre a utilização de funções frequentemente utilizadas

2. Escolha as Melhores Ferramentas de Teste de Automatização

Procure uma ferramenta de teste automatizado que suporte a sua tecnologia, linguagem, e plataformas. Deve também oferecer flexibilidade para acomodar diferentes níveis de competências. As estruturas impulsionadas por dados e por palavras-chave são normalmente reutilizáveis, fazendo-lhes escolhas fortes. Veja se pode testar aplicações empresariais e integrá-las também no seu ecossistema.

3. Delinear Tarefas Baseadas na Habilidade

Atribuir casos e conjuntos de teste a pessoas com base nas suas competências técnicas. Os testes que requerem a execução de ferramentas proprietárias costumam adequar-se a diferentes níveis de perícia, mas as ferramentas de código aberto precisam tipicamente do trabalho de alguém familiarizado com essa plataforma.

4. Criar dados de teste de alta qualidade

Os dados de teste de alta qualidade são mais legíveis para ferramentas de teste de automatização. Certifique-se de formatá-lo correctamente num tipo de ficheiro compatível. Quando tem dados externos, pode reutilizar e manter os seus testes com facilidade. Além disso, a adição de novos dados não irá afectar o teste.Embora seja demorado fazer dados de teste, é necessário colocar tempo e esforço na sua estrutura. Tente criar a informação no início do processo de desenvolvimento para que a possa alargar conforme necessário durante os testes.

5. Fazer Testes Automatizados Resistentes à Mudança

Muitas estruturas de automatização de testes não permanecem compatíveis com as aplicações à medida que as actualiza. Estas ferramentas identificam e encontram objectos usando uma série de propriedades, tais como coordenadas de localização. Alterar a localização deste controlo pode fazer com que o teste seja reprovado. Ao fornecer nomes únicos para cada ponto de dados, o seu teste tornar-se-á resistente às alterações de IU. Desta forma, pode actualizar a aplicação sem necessidade de escrever um novo teste. Além disso, este processo impede que a ferramenta se baseie em coordenadas. Acrescenta força e estabilidade ao teste.

Equívocos comuns sobre a automatização de testes

hiperautomação

Devido à sua natureza relativamente nova, muitas pessoas acreditam em alguns equívocos sobre automação. Aqui estão alguns dos mal-entendidos mais comuns sobre a automatização de testes de software.

 

1. Automação Substitui Manual

A automatização pode tornar muitas tarefas manuais menos enfadonhas e mais fáceis de completar. No entanto, nem todos os testes podem ser automatizados. Os testes automatizados de software podem lidar com testes repetitivos, previsíveis e frequentemente executados, mas não podem fornecer feedback humano ou intuição. Os testes manuais ainda têm um lugar para tarefas que necessitam de intervenção humana, têm resultados imprevisíveis, ou não necessitam de testes frequentes. Além disso, os testadores humanos têm frequentemente de escrever guiões e quadros para testes automatizados.

2. A automatização elimina os bugs

Os testes automatizados podem remover erros humanos e levar a uma cobertura de teste a 100%, o que leva alguns a acreditar que o aumento da sua presença elimina os bugs. No entanto, os defeitos ainda podem aparecer. Por exemplo, alguns quadros não permanecerão compatíveis com a aplicação após uma actualização. Os testes existentes podem não encontrar bugs que existam. Além disso, os humanos escrevem frequentemente guiões. Erros neste código podem levar a resultados falsos nos testes. Além disso, poderá não implementar testes suficientes para detectar os defeitos no código.

 

3. Só Desenvolvedores Experientes Podem Automatizar os Testes

Muitas ferramentas de teste de software permitem a qualquer pessoa escrever testes automatizados simples. Se não tiver experiência em codificação, pode ainda assim implementar a automatização na sua empresa. Independentemente disso, alguns testes requerem uma vasta experiência em codificação para escrever o guião. Poderá ser necessário construir e manter uma estrutura de teste ou estabilizar um ambiente de teste. Globalmente, a perícia da sua equipa afectará os testes disponíveis para a automatização. No entanto, não é necessário ser um perito para começar.

Tipos de Estruturas de Automação

A automatização dos testes de software só é possível com uma estrutura. Aqui estão alguns dos vários tipos de estruturas de automatização.

1. Enquadramento Data-Driven

As estruturas orientadas por dados requerem que os testadores escrevam scripts que acomodem múltiplos conjuntos e combinações de dados através da parametrização. Oferecem uma maior cobertura em menos casos de teste do que a maioria das outras estruturas. Muitas características e guiões são reutilizáveis, e pode mantê-los facilmente.

2. Enquadramento orientado por palavras-chave

As estruturas guiadas por palavras-chave utilizam tabelas onde se definem as palavras-chave para descrever cada função e execução. Este quadro é útil para os membros da equipa de GQ que carecem de conhecimentos de programação e precisam de fazer guiões de teste.

3. Enquadramento da Arquitectura da Biblioteca de Testes

Na estrutura da arquitectura da biblioteca de testes, os guiões de teste são registados, e as tarefas comuns são identificadas como funções. As funções são chamadas pelo condutor para criar casos de teste no guião principal. Muito código é reutilizável, e pode facilmente manter os guiões.

4. Roteiro Linear

Uma estrutura de escrita linear encaixa em produtos mais pequenos. Envolve um guião de teste com um planeamento mínimo. No entanto, os guiões são de utilização única. Cada passo é registado e posteriormente repetido para realizar o teste. Embora este quadro seja fácil de usar, só pode lidar com projectos de menor dimensão.

5. Testes modulares

Uma estrutura modular de testes tem o testador a fazer guiões para blocos pequenos e independentes. Os guiões podem ser integrados e conduzidos por um condutor para testes de integração entre módulos. Este quadro de automatização de testes minimiza a redundância, mas consome muito tempo.

6. Estruturas de Código Aberto

Estes quadros variam muito, mas são todos gratuitos. Alguns podem automatizar e executar testes em múltiplas línguas, plataformas e navegadores. Outros escrevem roteiros de teste para o testador, e alguns realizam testes dentro de um navegador da web.

7. Testes baseados em modelos

As estruturas de teste baseadas em modelos utilizam modelos para conceber e executar testes. Os modelos também podem representar o comportamento da aplicação, estratégias de teste, e o ambiente de teste. Os casos de teste destes modelos são funcionais e passam a fazer parte do conjunto de testes.

8. Estruturas Híbridas

Uma estrutura orientada por híbridos combina práticas de pelo menos duas outras estruturas para criar um modelo personalizado. Pode minimizar a complexidade nos testes, mas estas estruturas podem revelar-se um desafio a fazer.

A Fronteira entre a Estrutura de Automatização e a Ferramenta de Teste de Automatização

As ferramentas de teste de software terão como alvo um ambiente de teste, como ferramentas de automatização da web e Windows. Eles conduzem o processo de automatização de testes de software. Uma estrutura de automatização é uma infra-estrutura na qual várias ferramentas podem realizar o seu trabalho em conjunto. As Estruturas são categorizadas pela componente de automatização que potenciam.

Automação Funcional vs. Automação Não-Funcional

A Fronteira entre a Estrutura de Automatização e a Ferramenta de Teste de Automatização

Os testes de automatização funcional verificam que cada componente de uma aplicação está em conformidade com os requisitos. Normalmente, envolve testes de caixa negra, uma vez que não precisa de conhecer o código fonte. A funcionalidade do sistema é testada verificando se a saída de uma determinada entrada corresponde aos resultados esperados. É necessário verificar as APIs, IU, segurança, base de dados, e aplicações cliente/servidor para testes funcionais. Os testes de automação não-funcionais verificam que aspectos não-funcionais como fiabilidade, desempenho e usabilidade são aceitáveis. Testa a prontidão do sistema contra parâmetros não-funcionais para assegurar a satisfação do cliente. Um teste não funcional seria ver quantas pessoas podem usar uma aplicação ao mesmo tempo. Exemplos de testes funcionais são testes de unidade, de fumo, de integração e de regressão. Os testes não funcionais incluem stress, carga, desempenho, e escalabilidade.

Critérios para a Escolha das Ferramentas Certas de Automatização de Software

Ao procurar as melhores ferramentas de automatização de software, tente manter
estes critérios
em mente.

1. Facilidade de Adopção

A facilidade de adopção diz respeito ao custo da licença e ao apoio ao utilizador. Ao procurar soluções de testes automatizados, certifique-se de definir o seu orçamento. Embora existam ferramentas de código aberto, estas requerem normalmente mais experiência de codificação e vêm com uma curva de aprendizagem mais acentuada. Além disso, poderá estar mais limitado quanto aos testes que pode realizar. Ferramentas de automatização de software de alta qualidade podem custar até
120.000 dólares por ano
. Verifique a frequência de pagamento e os níveis de preços para ver se os serviços cumprem o seu orçamento e as suas necessidades. Além disso, verifique quantas licenças recebe com cada nível de preços. Poderá ser necessário actualizá-lo de modo a adaptá-lo à sua empresa. Se a sua equipa não tiver experiência, terá uma maior necessidade de apoio. Algumas plataformas vêm com equipas dedicadas de serviço ao cliente para o ajudar na adopção. Outros têm comunidades extensas para oferecer aconselhamento, mas um apoio proprietário mínimo.

2. Habilidades de elaboração de relatórios e de scripting

O ideal é que queira um tempo rápido de criação de guiões. Dessa forma, pode passar mais tempo a fazer testes em vez de os conceber. Procure também uma alta velocidade de execução de scripts. Além disso, quadros com curvas de aprendizagem mínimas ajudam, especialmente se a sua equipa de GQ tiver menos experiência.Se a sua empresa opera principalmente numa língua de scripting, vai querer uma estrutura que acomode isso. Algumas são compatíveis com várias línguas, o que diminuiria a curva de aprendizagem. Outras capacidades de elaboração de relatórios e guiões a considerar são o reconhecimento de objectos, a integração contínua, e as estruturas. Veja se tem experiência com as plataformas utilizadas para alcançar estas características. Poderá ter de construir uma estrutura ou familiarizar-se com diferentes plataformas.

3. Utilização de ferramentas

O seu negócio provavelmente tem uma série de ferramentas que prefere utilizar. Verifique as ferramentas dos seus sistemas operativos, navegadores e dispositivos compatíveis. Além disso, ver se têm suporte para aplicações não navegáveis.

Melhores ferramentas para a automatização funcional

Pacote de automatização de software Zaptaste

A automatização funcional depende tipicamente de ferramentas de caixa negra. Embora ferramentas livres como Selenium possam ajudar neste processo, a sua funcionalidade limitada torna-as inferiores às ferramentas empresariais líderes como ZAPTEST ou TestComplete. Aqui estão algumas das melhores ferramentas para a automatização funcional.

1. ZAPTEST

O ZAPTEST é uma ferramenta equilibrada com licenças ilimitadas, automatização quase universal, e capacidades de paralelização. Pode optar por características gratuitas ou empresariais, dependendo da dimensão da sua empresa. O programa empresarial oferece um especialista empenhado em ZAP e tecnologia 1SCRIPT para garantir que pode testar rápida e facilmente sempre que quiser.

2. TestComplete

TestComplete é uma ferramenta de teste funcional de fácil utilização que automatiza testes para aplicações móveis, desktop, e web. Tem testes automatizados de GUI funcionais, reconhecimento de objectos de IA, e guião flexível. Pode integrar-se com ferramentas que conhece para executar testes funcionais rápidos, independentemente do nível de aptidão.

3. UFT Um

Teste Funcional Unificado (UFT) Um tem um conjunto abrangente de características de teste funcional. É possível automatizar testes funcionais para aplicações móveis, web, empresariais, e API. A inteligência artificial integrada pode acelerar os testes E2E, aumentar a cobertura dos testes, e aumentar a eficiência. Permite também a aprendizagem de máquinas, identificação de maquetas, gravação, correspondência de texto, e automatização de imagens.

Melhores Ferramentas para Automação Não Funcional

testes de carga

A maioria do software não-funcional para testes de automatização centra-se em testes de desempenho. Muitas ferramentas de automação funcional, tais como o ZAPTEST, oferecem alguns testes não funcionais enquanto ainda oferecem uma análise completa dos seus testes de desenvolvimento de software.

  1. ZAPTEST Load Studio

    ZAPTEST começa na fase de concepção da aplicação e oferece uma funcionalidade competitiva, permitindo às organizações automatizar os testes do início ao fim do ciclo de vida do desenvolvimento de software. Através do ZAPTEST, tem a capacidade de trabalhar com maquetas de teste e scripts de teste enquanto a aplicação ainda se encontra na fase de desenvolvimento para testes de desempenho completos.

    O ZAPTEST Load Studio leva estas capacidades a outro nível, estendendo o processo completo do ZAPTEST. O Load Studio pode imitar completamente o comportamento do cliente através de código script ou script-less. Isto permite aos programadores medir a qualidade do serviço dos servidores baseados em API.

    Além disso, Carga permite às equipas atribuir ilimitadamente fontes de dados partilhados para cada grupo VUser e gerar relatórios detalhados baseados em HTML sobre estatísticas que podem ajudar a identificar pontos de estrangulamento no sistema sob carga.

 

2. NeoLoad

A NeoLoad efectua testes de desempenho replicando actividades do utilizador para localizar estrangulamentos do sistema. Suporta aplicações móveis e web. Para aplicações empresariais, pode optar por uma das suas opções de preços flexíveis.

3. Loadster

Loadster realiza testes de carga na camada de protocolo, o que significa que automatiza os navegadores sem cabeça. Pode testar os seus sítios web, aplicações web, e APIs com este software. Oferece scripts de teste criados rapidamente que pode gravar no seu navegador com uma extensão. Em seguida, lança testes de nuvens distribuídas e analisa imediatamente os seus resultados. As técnicas de teste de carga híbrida garantem testes rápidos. Além disso, adapta-se melhor a aplicações de nível empresarial.

4. LoadRunner

O LoadRunner suporta testes não funcionais a um preço acessível. Lida com tecnologias móveis, web e de nuvens, simulando condições do mundo real com ambientes híbridos. A plataforma reforça a colaboração da equipa através da partilha de activos e scripts através de licenças e recursos consolidados. Globalmente, esta ferramenta acessível pode facilmente gerir testes de desempenho e de carga para empresas de nível empresarial.

O que é a Entrega Contínua na Automatização de Testes?

Entrega contínua (CD) em automatização de testes é o processo onde se faz, testa, configura, e liberta da construção à produção. Os múltiplos ambientes de teste criam uma conduta de lançamento que automatiza a criação de infra-estruturas e a implantação de construções. Os ambientes posteriores suportam uma integração mais prolongada, aceitação e testes de carga.O CD pode sequenciar vários anéis de implantação. Estes anéis criam uma exposição progressiva, que agrupa os utilizadores para os deixar experimentar versões beta do produto enquanto monitorizam a sua experiência. A libertação para grupos sucessivos é automatizada, o que agiliza os ciclos de libertação de software. Muitas ferramentas de teste de automação de grau empresarial têm a sua entrega contínua, com novas características adicionadas com base na utilização e no feedback do cliente.

O que é a integração contínua na automatização de testes?

Integração contínua (CI) automatiza a construção e o teste do código cada vez que alguém altera o controlo da versão. O CI permite que os programadores partilhem código e testes através da fusão de alterações num repositório partilhado após a conclusão de uma pequena tarefa. As alterações irão desencadear um sistema automatizado que agarra o último código do repositório para construir, testar e validar o ramo.O CI permite a colaboração remota. Os desenvolvedores podem integrar imediatamente as mudanças com a sua equipa, para que os bugs possam ser testados e corrigidos mais cedo. Além disso, a CI torna possível o CD.

Testes Automatizados de Software na Era dos Testes Ágeis

melhores práticas para a automatização de software ágil

Os testes ágeis podem incluir ferramentas de automatização de testes de software. A automatização mantém a agilidade, e a sua priorização pode levar a melhorias contínuas. No entanto, a automatização precisa de ser realizada em
novas formas
. A utilização de CI e CD automatizados juntamente com testes Agile pode acelerar ainda mais o tempo de colocação no mercado. Além disso, os testadores e desenvolvedores precisam de maior comunicação. Os testadores precisam de testar durante o processo de desenvolvimento em vez de esperar até receberem um produto final. Ao simplificar os testes realizados, os testadores de GQ podem testar com mais frequência e manter-se actualizados sobre os desenvolvimentos. A automatização dos testes de software na era dos testes ágeis requer uma abordagem unificada em toda a empresa para desenvolver e testar o software.

O Futuro dos Testes Automatizados de Software

No futuro, os testes automatizados verão uma maior adopção na indústria de software. Simplifica as condutas de entrega e minimiza o tempo de colocação no mercado. Além disso, reduz parte do tempo e mão-de-obra necessários para os testes. Ao reduzir as interacções humanas com os dados, é possível alcançar resultados mais objectivos numa linha temporal mais rápida. No entanto, a automatização nunca irá substituir totalmente os testes manuais. Antes de um produto poder ser lançado, precisa de um humano por trás para ver o seu bom funcionamento e para obter opiniões externas. Um programa de computador não lhe pode dizer se a fonte parece colidir visualmente com o esquema de cores. No entanto, os desenvolvimentos na automatização facilitam a adopção, mesmo para pessoas com uma experiência mínima de codificação. Além disso, existe muito software de código aberto para as empresas experimentarem testes de automatização antes de se comprometerem com o software empresarial.

Como Começar com a Automatização de Testes

Aqui estão algumas dicas quando se começa a automatizar os testes:

  • Comece pequeno e trabalhe para cima. Não tente automatizar tudo de uma só vez.
  • Ter em mente tanto os requisitos comerciais como as considerações técnicas ao escolher estratégias de automatização
  • Experimente primeiro os testes unitários.
  • Escreva casos de teste reutilizáveis e pequenos que poderá utilizar em testes futuros.
  • Escolha ferramentas e ambientes que se ajustem ao seu orçamento, recursos, objectivos e nível de experiência.

Pode sempre trabalhar com um perito para determinar as necessidades da sua empresa e avaliar as suas opções.

FAQs

Aqui estão algumas perguntas comuns sobre a automatização de testes de software.

O que é a automatização nos testes?

A automatização nos testes é o processo de utilização de software externo para testar um produto de software. A execução de scripts de teste e casos verificará o código para detectar quaisquer defeitos e fornecerá um relatório para dizer aos programadores o que devem corrigir. As ferramentas de automatização substituem os testadores humanos em alguns casos.

Como aprender a automatização de testes?

Pode aprender a automatização de testes através de um curso de formação. Estes ensinar-lhe-ão o básico dos testes automatizados, tais como estruturas, guiões, casos, e ferramentas. Muitas ferramentas vêm com recursos e manuais para lhe ensinar como utilizar plataformas específicas.

Cursos de Formação em Automatização de Testes de Software

Alguns cursos de formação para aprender a automatização de testes de software incluem:

Certificações de Automatização de Testes de Software

Existem várias certificações de automatização que pode ganhar para mostrar aos empregadores que possui competências comprovadas na área, incluindo

Qual é o melhor software para testes de automatização?

O melhor software depende do seu orçamento, necessidades, recursos, e nível de competências. Se quiser experimentar gratuitamente algo que seja compatível com a maioria das aplicações e línguas, pode utilizar o ZAPTEST. Se satisfizer as suas necessidades, pode até desejar ir para o software Enterprise.

O que é o teste da caixa negra?

O teste da caixa negra ignora o código fonte da aplicação. Os testes funcionais são tipicamente caixas negras.

O que é o teste da caixa branca?

O teste da caixa branca considera o código fonte e testa as estruturas internas de uma aplicação. O testador escolherá os inputs para os caminhos de trabalho no código. Depois, podem determinar os resultados esperados.

Teste da Caixa Preta vs. Teste da Caixa Branca

O teste da caixa negra é utilizado nos casos em que uma empresa só se preocupa em fornecer o resultado esperado, independentemente do caminho. O teste da caixa branca tem uma menor tolerância a erros, uma vez que diz respeito ao caminho. A maioria das empresas utiliza uma combinação dos dois métodos.

O que é o teste de desempenho?

O teste de desempenho é um teste não funcional que determina a capacidade de resposta e estabilidade sob uma carga de trabalho. Algumas técnicas de testes de desempenho incluem testes de stress, carga, embebição, e picos.

O que é o teste de carga?

O teste de carga é uma forma de teste de desempenho que simula cargas do mundo real em produtos. Monitoriza o desempenho da aplicação para o ajudar a corrigir quaisquer bugs. Os testes de carga examinam o comportamento sob cargas baixas, normais, e altas.

O que é um teste ágil?

Os testes ágeis seguem os princípios do desenvolvimento ágil. As exigências evoluem continuamente devido à colaboração entre os vários departamentos da empresa entre si e o cliente. Pode acelerar o desenvolvimento do produto e os processos de teste, uma vez que todos contribuem para a garantia de qualidade.

O que é a automatização do Cross Browser?

A automatização cruzada é um teste não funcional que assegura que uma aplicação ou website funciona em múltiplos navegadores, tais como Edge, Chrome, Safari, e Firefox. Também verifica a compatibilidade entre diferentes combinações de navegadores e dispositivos, uma vez que uma aplicação pode correr de forma diferente num Samsung Galaxy S10 usando o Chrome em comparação com um iPhone X.

O que é o Teste de Regressão?

O teste de regressão é um teste que determina se o software continua a funcionar como esperado após uma actualização do código. A não entrega do resultado previsto cria uma regressão.

O que é uma estrutura de automatização de testes?

Uma estrutura de automatização de testes é um conjunto de directrizes para criar e conceber casos de teste. Seguir estas regras produz, sistematicamente, os resultados desejados. As frameworks são plataformas feitas através da integração de software e hardware com ferramentas de teste de automação. Permitem a concepção e o desenvolvimento de guiões de teste para testes de automatização.

Estruturas de Automatização de Testes

Existem muitos tipos de estruturas de automatização de testes, como por exemplo:

  • Data-driven
  • Guiado por palavras-chave
  • Arquitectura da biblioteca de testes
  • Escrita linear
  • Modular
  • Open-source
  • Baseado em modelos
  • Híbrido

Qual é a melhor ferramenta para a automatização de software?

A melhor ferramenta para a automatização de software depende das suas necessidades, orçamento, recursos, e competências. Aqui estão algumas das principais ferramentas disponíveis:

Se possível, investir em software empresarial para as características de alta qualidade, facilidade de utilização, e funcionalidade alargada.

Perguntas sobre a Automatização do Selénio (Top 10)

Aqui estão dez das melhores perguntas a fazer quando se procura alguém para testar usando Selénio:

  • Quais são os desafios e limitações da utilização de Selénio?
  • Que tipos de testes automatizou usando Selénio?
  • Quantos testes se pode automatizar por dia com Selénio?
  • Criou pessoalmente alguma estrutura de testes para o Selénio?
  • Porque prefere usar Selénio?
  • O que é um Nó de Contexto?
  • Que pontos de verificação pode utilizar em Selénio?
  • Que excepções já viu em Selenium WebDriver?
  • Como se pode automatizar uma pausa na execução do teste usando Selénio?
  • Como se pode lidar com elementos escondidos em Selénio?

Melhores Tutoriais de Selénio (Top 10)

Aqui estão dez dos melhores tutoriais para aprender a usar Selénio:

Melhores cursos de automatização de testes de software (Top 10)

Aqui estão dez dos melhores cursos de automatização de testes de software:

Cursos de Teste de Garantia da Melhor Qualidade (GQ) Online (Top 10)

Aqui estão os dez melhores cursos de teste de GQ online:

Perguntas da entrevista de teste de automatização (Top 10)

Aqui estão dez perguntas úteis de entrevista quando se contrata um testador de automação:

  • Quando é que os testes de automatização são úteis?
  • Como identificar casos de teste que são adequados para automatização?
  • Que percentagem de automatização pode realisticamente alcançar?
  • Como decidir qual a ferramenta de automatização a utilizar?
  • Quais são algumas boas práticas de codificação a seguir quando se automatizam testes?
  • Para que níveis se podem automatizar os testes?
  • O que vê como a maior coisa que impede os testadores de testar?
  • Quantos testes já escreveu pessoalmente?
  • Quais são as partes mais importantes de um quadro de testes?
  • O que se pode fazer sem uma estrutura?

Melhores ferramentas de automatização de GQ (Top 10)

Aqui estão dez grandes ferramentas de automação de GQ a utilizar:

Tipos de testes de software

Os conjuntos primários de categorias em testes de software são manuais vs. automatizados e funcionais vs. não funcionais. Cada teste enquadra-se numa combinação destas categorias. Alguns dos tipos de testes de software são:

  • Unidade
  • De ponta a ponta
  • Integração
  • Aceitação
  • Fumo
  • Carga
  • Stress
  • Exploratório
  • Desempenho
  • Análise de código
  • Regressão

Melhores tutoriais de software Jira (Top 10)

Aqui estão dez dos melhores tutoriais do software Jira:

Teste do ciclo de vida do software

O ciclo de vida do software de teste segue este caminho:

  • Análise dos requisitos: determinar os requisitos de software para identificar as peças a testar
  • Planeamento de testes: concepção de estratégia de teste e aquisição de recursos para a sua execução
  • Desenvolvimento de casos de teste: a equipa de teste concebe casos de teste para execução
  • Configuração do ambiente de teste: criar software e hardware para executar casos de teste
  • Execução de testes: realizar o teste e comparar os resultados com o resultado esperado
  • Encerramento do Ciclo de Testes: avaliar a cobertura dos testes, encontrar os defeitos e determinar o próximo curso de acção

Certificações de Automatização de Testes de Software

Pode obter certificações em automatização de testes de software a partir de muitos dos cursos acima mencionados. As certificações gerais incluem:

O que é o Teste de Automatização em GQ?

Os testes de automação de GQ utilizam software para testar uma aplicação para a qualidade. Engloba testes funcionais e não funcionais e utiliza técnicas de teste GUI ou API.

O que quer dizer com automatização nos testes de software?

A automatização nos testes de software é o processo de utilização da tecnologia para replicar testes de software e fornecer resultados. Acelera e melhora o processo de realização de muitos testes.

Como é que começo os testes de automatização?

Inicia testes de automatização determinando os seus requisitos de teste de software. Proceda encontrando ferramentas que correspondam às suas competências, orçamento e necessidades. Também se poderia subcontratar a automatização a um serviço de terceiros no início. Tentar automatizar apenas alguns testes de uma só vez antes de expandir as operações.

Quando é que não se deve automatizar os testes?

Não se deve automatizar os testes quando se realiza um teste que envolve feedback humano ou que não precisa de ser repetido muitas vezes. A automatização destes testes pode desperdiçar tempo e recursos.

Quando devo começar os testes de automatização?

O melhor momento para iniciar os testes de automatização é nas fases iniciais de desenvolvimento do produto. Muitas plataformas analisarão o seu código durante o desenvolvimento para escrever scripts de teste para mais tarde no processo. Além disso, pode realizar testes unitários regularmente para detectar bugs antes de proceder com o código.

Porque é necessário o teste de automatização

Os testes de automatização não são um requisito, mas ajudam as empresas a manterem-se competitivas. Torna os testes de software mais rápidos e mais eficientes, ao mesmo tempo que expande a cobertura dos testes. Pode reduzir o tempo de colocação no mercado para colocar o produto nas mãos dos consumidores mais rapidamente. Além disso, reduz as iterações durante o desenvolvimento do produto.

O teste de automatização requer codificação?

Existem algumas plataformas de testes de automatização sem código. No entanto, estes têm geralmente características e funcionalidades limitadas. Algum software empresarial requer pouca ou nenhuma codificação para funcionar. No entanto, a maioria das opções exigirá alguma codificação para se adequar às necessidades e recursos da sua empresa.

Qual é a diferença entre os testes manuais e de automatização?

Os testes manuais são realizados por humanos, enquanto que a automatização é realizada por máquinas. O primeiro funciona melhor para testes que não necessitam de muitas repetições ou requerem feedback humano. Por outro lado, deve automatizar testes repetitivos e objectivos de velocidade e eficiência.

Tipos de testes manuais

Todos os testes de software podem ser efectuados manualmente. Alguns dos tipos mais populares incluem:

  • Exploratório
  • Unidade
  • Integração
  • Aceitação
  • Sistema
  • Caixa negra
  • Caixa branca
  • Carga
  • Desempenho
  • Regressão
  • Sanidade
  • Fumo
  • Acessibilidade
  • De ponta a ponta
  • Segurança
  • Stress

O que é o Agile Software Testing?

Agile software testing é qualquer forma de teste de software que siga os princípios de Agile. Implica testar o código durante o desenvolvimento, em vez de esperar até ao fim. Agile torna os testes uma acção contínua em vez de uma fase de desenvolvimento distinta.

Quais são os prós e os contras dos testes de automatização?

Prós:

  • Rápido e fiável
  • Aponta defeitos
  • Executar roteiros de teste muitas vezes

Contras:

  • O elevado custo inicial de ferramentas e formação
  • Poderá ter de alterar o guião de teste quando alterar o código do produto

This post is also available in: Български (Búlgaro) 简体中文 (Chinês (Simplificado)) 繁體中文 (Chinês (Tradicional)) Hrvatski (Croata) Čeština (Tcheco) Dansk (Dinamarquês) Nederlands (Holandês) English (Inglês) Eesti (Estoniano) Français (Francês) Deutsch (Alemão) हिन्दी (Hindi) Magyar (Húngaro) Italiano 日本語 (Japonês) 한국어 (Coreano) Latviešu (Letão) Lietuvių (Lituano) Polski (Polonês) Português Punjabi (Panjabi) Română (Romeno) Русский (Russo) српски (Sérvio) Slovenčina (Eslavo) Slovenščina (Esloveno) Español (Espanhol) Svenska (Sueco) Tamil Türkçe (Turco) Українська (Ucraniano)